RASCUNHOS DA ROGOLDONI

Rascunho versos. Neles, sentimentos.

domingo, 23 de julho de 2017

NAQUELA MADRUGADA DE OUTONO (AVPLP) 2017


Perderam-se pelas madrugada vadias.
Ruas e avenidas pareciam-lhes sem sentido ou direção.
Perambulavam entre os amantes plenos de convívio
- fartavam-se de indiscrição -.
Esparramada sobre aquela noite de outono,
a névoa confidente beirava o encantamento.
Em breve, o seu dissipar revelaria a claridade do dia.
Suas desconexões com a realidade seriam evidenciadas.
Tarde para recuar!
Versos e rimas revelariam sua fome de poesia naquela manhã.
Ensolarados,
o poema deu-se à vida
àqueles que acordavam do sono consentido
em busca de esperança prometida.
Quem sabe um mar de rosas os esperava...

©rosangelaSgoldoni
16 06 2017
RL T 6 062 133



quarta-feira, 19 de julho de 2017

GUERRA EM PAZ INTERIOR


Chuva mansa e intermitente
reflete o asfalto molhado.
Derrapam a vida e o carro.
O condutor segue sem pressa.
Vida em compasso de espera.
Uma rajada de fuzil quebra o silêncio da noite.
Guerra e Paz interior!

©rosangelaSgoldoni
1 9 07 2017

RL T 6 058 900

terça-feira, 18 de julho de 2017

CATARATAS


Véu que se descerra sobre o cristal.
Idade embaçada,
cataratas que deságuam nas imagens
desgastadas pelo tempo:
ventos contrários
ou
a favor.
Sobre técnicas
tudo se renova:
há um novo cristalino  dentro de mim.

©rosangelaSgoldoni
18 07 2017
RL T 6 058 508

segunda-feira, 17 de julho de 2017

(IN)DISCRETA CLARIDADE


O sol espelha-se no parapeito de vidro da varanda
do outro lado da rua.
Cerro os olhos incomodados com a excessiva claridade.
Tudo se faz vermelho no percurso dos vasos projetados,
sanguíneos corredores trilhados à sombra
da realidade transformada.
O ser vivo,
consciente de sua essência humana,
cósmica partícula numa engrenagem divina,
agradece ao Criador.
O sol segue o seu curso...
Foi-se espelhar noutras varandas.
Aqui
ou
do outro lado da rua,
a vida segue em discreta claridade.

©rosangelaSgoldoni
07 07 2017

RL T 6 056 275

sexta-feira, 14 de julho de 2017

DAMA DE FERRO



No blefe da vida
a carta não erro.
Decido a partida:
sou dama de ferro.

©rosangelaSgoldoni
26 10 2010

RL T 2 697 279