Rascunho versos. Neles, sentimentos.

sábado, 29 de setembro de 2012

INTIMIDADE DESBOTADA



E, do nada,
você se achegou.
Manteve o ar de intimidade
que o tempo desbotou.
Madrugada virada
tentando convercer-me
de que ainda valia a pena.
Presenciava a cena
com senso crítico,
mas não conseguía defini-la:
tragédia ou comédia?
O dia amanheceu.
Um beijo trocado,
meu silêncio impostado:
Vá com Deus!

©rosangelaSgoldoni
29 09 2012
RL T 3 907 348


EU, O TEMPO E O ESPELHO





Comprei um espelho novo;
na verdade, de antiquário!
Nele, algo de mágico.
Seduziram-me as imagens
que exibiam minhas entranhas
reflexas, antropofágicas.
Aquele sorriso distante,
uma lágrima revelada,
um sonho desiludido.
momentos de chama apagada.
De repente,
alguns suspiros;
abraçando e sendo abraçada,
lutando pelo tempo perdido,
aos gritos para ser respeitada;
arriscando e tendo vencido,
mesmo sendo desafiada.
Eu, o espelho e o tempo,
projeções de uma vida encenada.


©rosangelaSgoldoni
26 09 2012
Rl T 3 905 078

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

REGISTROS DE UM SONHO FELIZ





Cinco e trinta.
Levanto assustada:
não reconheço onde estou.
Ouço algo arrastado e, baixinho, um radio de pilhas (coisa de infância).
Apurei os ouvidos: a boiada tocada na estrada e a máquina de cortar capim.
Acordava de um sonho.
Sonho de um tempo feliz!
A casa não tinha registros na memória.
Um pé de carambola à mostra.
Todos se divertiam.
Meu pai e minha mãe sorriam.
Filhos, irmãos, amigos contavam histórias;
gente que eu amava e que,
de alguma forma, partiu:
uns sem opção,
outros por negação.
Pulei da cama chorando, atrás de caneta e papel.
Enquanto escrevia chorava,
saudade descontrolada
invadiu-me sem permissão.
Vou à cozinha,
abro a porta para a realidade:
meu jardim sorri.
Já posso voltar a dormir.

©rosangelaSgoldoni
24 09 2012
RL T 3 898 829
Publicdo na Antologia Café com Verso Vol. 2, 2013, Editora Futurama SP




sexta-feira, 21 de setembro de 2012

TENHO PRESSA: É PRIMAVERA!



Arte: José Miguel Roman France




Tenho pressa!
Apeio-me na próxima estação.
Minha bagagem é leve:
uma flor em cada mão;
outra presa aos cabelos
e paz no coração.
Tenho pressa!
Não sei se alguém me espera,
mas isto não tem precisão.
Desembarco na primavera
mantendo os pés no chão,
onde plantei roseiras
fertilizadas com emoção.

©rosangelaSgoldoni
21 09 2012
RL T 3 894 510

terça-feira, 18 de setembro de 2012

RITUAL DE AMOR





Distraídos.
recaídos,
triste paixão que não desabrocha.
Desditas,
propostas,
e a vida a nos dar as costas.
Ânsia,
desejos
que não se resumem num beijo.
Invocaremos Afrodite,
Cupido e suas artimanhas,
Baco e suas taças:
celebraremos um ritual de amor!
Acolhidos por divindades,
quem sabe a nossa verdade
transforme-se em oração.
Oração que alimente
tantos amores pendentes,
vidas sem definição.

©rosangelaSgoldoni
17 09 2012
RL T 3 889 200

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O SOL ME ESPERA




Manhã silenciosa,
Só pássaros a gorjear.
Abro janelas e cortinas:
a vida brilha
iluminada pelos raios de sol.
Não há buzina,
freada
ou coisa que o valha.
Eu,
solidão consentida,
varro minha varanda,
de ponta a ponta,
juntando palhas
caídas dos ninhos do telhado.
Faz algum tempo,
recolhi gravetos
esparramados na minha cama.
Mas isso é outra história.
O sol me espera!



©rosangelaSgoldoni
10 09 2012
RL T 3 885 877
Publicado na Antologia Mulheres Fascinantes Vol. I, 2012, Editora Delicatta, SP



sábado, 15 de setembro de 2012

TANGO


Imagem commons Wilipedia



Eu
você
ao
léu
Gardel
“corrientes”
solenes
a
nos
enredar.
Bandonion
frisson:
mais
que
desejo
pairando
no
ar.
Sobraram
surpresas
tristezas
lamentos,
adeus
aos
solfejos
no
despertar!

©rosangelaSgoldoni
15 09 2012
RL T 3 883 103

Segundo E. S. Discépolo, "o tango é um pensamento triste que se pode dançar"

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

ARQUIVO À MODA ANTIGA




Guardo meus sentimentos
em arquivos não deletáveis:
pastas suspensas,
trancadas em gavetas
nas margens do coração.
Na inferior os segredos,
lacrados por precaução.
Na superior, movimentos,
que embalaram minha emoção;
algumas, esquecimento;
outras, recordação.
Dependendo da presença
ou da provocação,
desarquivo a essência
sou total imprevisão:
empunho armas, “en garde”,
ou uma flor um botão.

©rosangelaSgoldoni
14 09 2012
RL T 3 881 653


ALGO QUE NÃO SE ACOMODA




Convenço-me de que
a vida é quem dá o troco.
Bem que não juntei moedas para esta oferta.
Arrependimento intempestivo,
regado a lágrimas
que não lavam o passado
nem enxaguam o presente.
Perdão?
Só a Deus é dado conceder.
A mim, coube esquecer
e escrever estes versos;
não para me glorificar,
mas, registrar que,
apesar de tudo,
apesar de você,
reaprendi a viver.
Existe algo dentro de mim que não se acomoda!

©rosangelaSgoldoni
12 09 2012
RL T 3 879 339


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

À PROCURA DO EQUILÍBRIO NECESSÁRIO





Não tenho a malícia dos espertos,
(não sou tão má quanto pensam).
Não tenho a bondade dos certos.
(não sou o exemplo que esperam).

Procuro o equilíbrio necessário
na corda bamba do universo.


©rosangelaSgoldoni
08 01 2011
RL T 2 716 801

CONTO DE FADAS





Administrei meu desgoverno,
tracei um belo roteiro,
descobri onde quero chegar.
A paz foi conquistada,
liberdade é a minha estrada
agora eu posso voar.
E voando, 
alma em transe,
personagem de algum  romance,
amazona sob a luz do luar:
eu sei que chego lá!
O meu destino é segredo,
não é exílio ou degredo,
só não escolhi o lugar.
Quem sabe a Terra do Nunca,
o País das Maravilhas,
ou o sítio da tia Anastácia?
Quero viver num conto de Fadas!

©rosangelaSgoldoni
31 07 2012
RL T 3 877 288


QUINTAS E QUINTAIS


Art painting of Susan Rios



Êxtase das águas em doce correnteza,
bailado embalado às margens principescas:
Douro enamorado multiplica-se em gentilezas.

Ninfas apaixonadas, num cortejo mitológico,
inflamam vinhedos em cachos predestinados.
Porto,
 encorpado ou frutado,
regozijo de Baco!

Vale Douro,
vinhas e oliveiras,
figueiras,
quintas e quintais...
Extremoso,
curvamo-nos ao seu patrimônio

em terras de Portugal!

©rosangelaSgoldoni
10 09 2012
RL T 3 875 655
Trabalho poético para o Grupo Solar dos Poetas (Facebook), em homenagem à região do Douro.
Revisado em 11 03 2017 para publicação.
Publicado na Antologia "Todos os Tons da Poesia" lançada em 12 09 2017,
Lisboa, Portugal



terça-feira, 11 de setembro de 2012

NÃO SOU ASSIM TÃO INTEIRA




Não sou assim tão inteira!
Intensa: isto sim, com certeza.
Algumas doses homeopáticas
muitas vezes são melhores que nada.
Não ria, não ache graça!

Altos preços às vezes paguei,
por coisas  que sequer comprei.
A vida, enfrento com raça,
nunca pude fazer pirraça.

Quantas vezes a voz impostei
Para provar: minha vontade é lei.
Sempre fui desafiada
Respondi  à altura, na marra!

E assim vou levando a vida
num conta-gotas de felicidade
um pingo que caia ao acaso
é sempre melhor do que nada!
Não ria, não ache graça!

©rosangelaSgoldoni
21 10 2010
RL T 2 569 302

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

DIZE-ME TEU NOME QUE TE DIREI QUEM ÉS


Imagem: Brenda Burke



Decifro-te nas sílabas e entre sílabas,
acentos e preposições (se houver).
Recorrerei à numerologia,
criptografia,
e aos meios dos quais dispuser.

Sim, saberei quem és!
Dize-me teu nome e,
pelo conjunto harmônico,
pelo teor homofônico,
só te camuflarás
se eu quiser.

Mas não tenhas medo,
tornar-se-á um segredo,
Mas, é certo, saberei quem és.


©rosangelaSgoldoni
29 12 2010
RL T 2 705 227


domingo, 9 de setembro de 2012

AS NINFAS DO DOURO




Aproximam-se furtivas,
discretas e em sintonia
com os ventos da paixão.
Náiades formosas
achegam-se ao Douro
se aviso ou previsão.
Encantam suas águas
com bailados e ciladas
em rituais de sedução.
Um namoro que se revela
nas belezas do Vinhateiro
e no vale da região.
Douro,
Patrimônio da Humanidade,
revela-se em múltiplas faces
ao mundo: exaltação!


©rosangelaSgoldoni
09 09 2012
RL T 3 873 347
Exercício poético Grupo Solar dos Poetas, Facebook.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

CERTEZAS DE AGORA




Ao me sentir desgastada,
irritada com a estrada,
desconforto em prontidão:
importa não!
Só quero chegar!
Lá na roça,
meu sertão,
quando saio do asfalto,
enfrento a poeira do barro,
poesia é pulsação.
Pulsa em riachos e fontes,
matas e belos montes,
no luar contemplação!
O gramado do meu cantinho,
tapete verde limpinho,
tem ares de manto sagrado,
- por mil flores enfeitado -
à Senhora, saudação!
Esse meu lado matuto
que há algum tempo aflora
assumo e tenho orgulho,
certezas, momentos de agora.
E quando retorno cidade,
tenho acréscimo de bagagem:
voa mais leve o meu coração!


©rosangelaSgoldoni
06 09 2012
RL T 3 868 617