Rascunho versos. Neles, sentimentos.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

APENAS DIFERENTE (Infanto-Juvenil)





APENAS DIFERENTE

Olhos amêndoas douradas,
sorriso estampado perfil,
carinhos e abraços me embalam
desafio a insensibilidade hostil.
Estenda-me suas mãos!

©rosangelaSgoldoni
27 05 2017
RL T 6 172 113

Publicado na Antologia Infanto-Juvenil Gente de Toda Cor, Editora Somar, POA/RS, lançamento em 18 11 2017 na Feira do Livro.

domingo, 12 de novembro de 2017

VELHICE




O verdadeiro encontro com a velhice dá-se na consciência das limitações do corpo.
Quanto à alma, com a sua permissão, continuará livre para voar.

©rosangelaSgoldoni
12 11 2017

RL T 6 169 689

sábado, 11 de novembro de 2017

ABRE-ALAS



Metralhadoras,
Fuzis perfilados.
Vidas em desespero: balas a esmo.
Ao encontro da fatalidade
a paz pede passagem!

“Ô abre-alas que eu quero passar!” *

©rosangelaSgoldoni
 10 11 2017
RL T 6 169 139


*verso de Chiquinha Gonzaga

sábado, 4 de novembro de 2017

COISAS DE PRIMAVERA


Flores eclodem em regozijo de cores.
O azul reveste-se dum verniz esfuziante.
O vento, em sinfonia, desfila entre folhas renovadas.
O gramado renasce entremeado de trevos da terra.
A natureza reencontra-se em pares, ninhos a construir.
Tudo se renova em esperanças de primavera.
Meu coração atreve-se
na busca aflitiva
em reencontrar um bem-me-quer.
Coisas de primavera!

©rosangelaSgoldoni
18 09 2017
RL T 6 162 685

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

FILHOS E PARTIDAS




Parte o terceiro filho, sonhos além,
à nova morada  em ciclos de vida;
casal enlaçado do amor são reféns,
entregam-se ao novo, paz incontida.

Assim vão-se os filhos que não se detém,
cantou o poeta das pombas alaridas;
compartem suas asas, braços de alguém
 acaso, destino das flores colhidas.

O coração de mãe que se inquieta
refaz-se em júbilo, sorriso em festa,
traz alegria estampada na face

Vive sua vida, netos à espera;
prontidão de sorrisos, portas abertas,
idade feliz nos laços dos enlaces.

Rogoldoni
23 10 2017
RL T 6 157 337

domingo, 22 de outubro de 2017

NATUREZA PRANTEADA




Ouço o crepitar dos galhos.
Uma língua de fogo escorre por entre o verde.
A mata em chamas pede socorro.
Choram árvores,
fauna e
flora,
o humano assistente.
Chama devoradora
num piscar de ventos.
A nuvem passa, ao longe, distraída.
Foram-se as esperanças do dia!
O lamento das seriemas ecoou num vazio de penas.*
Os amantes da natureza aguardam ansiosos
por um chuvisco salvador.
Calor que devasta!

©rosangelaSgoldoni
12 10 2017
RL T 6 150 314

 * segundo a crença polular, o canto da seriema anuncia a chuva.


CONVITE: FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE



quarta-feira, 11 de outubro de 2017

sábado, 7 de outubro de 2017

FAMÍLIA E AFINS (Concurso Claron 2017)





Tudo girava em torno da mesa:
amor,
presenças,
afinidades e família.
Farta ou frugal
refeição
alimento e paz,
cordialidade e proteção.
(Re)união!
Hoje,
o pão nosso
em descompasso com o traçado,
destrói nós e laços
predomina o “eu” e seus interesses.
Desagregação!
Família que te penso unida,
ungida e purificada
pelos dons do sagrado,
refaz-te inteira!
Segue o teu destino:
união fraterna
em paz universal!

©rosangelaSgoldoni
20 06 2017
RL T 6 135 232


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

MARES E MARÉS



Na madrugada,
mergulharei no teu "Mar da Tranquilidade"
em busca d'algum poema branco
afogado em marés de ansiedade.

texto e foto
rosangelaSgoldoni
06 10 2017
RL T 6 134 296

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

DIVERSIDADE DE VIVER




Preconceito
Desrespeito
Segregação
Abra o peito ao seu irmão.
Religião.
Estenda a mão
Cor?
O negro da mãe África nos gerou.
O Deus que nos ungiu assim ditou:
Não matarás!
Não menospreze as diferenças
que existem nas flores ou frutas;
na fauna abundante;
na vida pulsante.
Quem pensa tem opões!
Pense e repense suas decisões.

DIVERSIDADE DE VIVER!

©rosangelaSgoldoni
02 10 2017
RL T 6 131 443

Texto publicado na Antologia Infanto-Juvenil Poemas à Flor da Idade, Gente de Toda Cor,
Lançamento em 18 11 2017 na Feria do Livro de Porto Alegre.

domingo, 1 de outubro de 2017

NÃO ESPERO AVIÕES





Não, não espero aviões,
muito menos soluções!

Quero a sua presença,
pois a saudade é intensa!

Não, nossos olhos não negam,
quando se cruzam e se entregam!

Me entristeço quando não estou
e, sei que você me procurou!

Não, não quero exclusividade,
somente a nossa verdade!

Não quero você para mim,
quero que o nosso caso não tenha fim!

©rosangelaSgoldoni
30 03 2009
RL T 2 568 891

sábado, 30 de setembro de 2017

PREMIAÇÃO CONCURSO CLARON 2017




Recebi o e-mail com o resultado III Festival de Contos e Poesias do CLARON (Centro Literário e Artístico da Região Oceânica de Niterói).
Meu poema "Família e Afins" ficou em primeiro lugar.
RESULTADO DO
“ III FESTIVAL DE POESIAS E CONTOS DO CLARON”
CATEGORIA POESIA
1º lugar - ROSÂNGELA GOLDONI com a poesia “Família e afins”
O poema será divulgado após premiação.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

DOMINGO NA AVENIDA PAULISTA



Domingo às bicicletas e skates;
às baladas de todas as tribos;
aos protestos de todas vozes.
Arte a circular na artéria vital da economia brasileira.
Avenida ao povo.
Na segunda-feira
a Avenida Paulista desperta
entre bolsas, bancos e cotações.
Executivos assumem a função.
O circo da vida continua!

©rosangelaSgoldoni
25 09 2017

RL T 6 125 834

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

ALÉM DA LENDA




Há dias de chuva encharcada,
banhada, lavada, capricho.
Há dias de chuva encantada,
transito feliz entre pingos.
Mas quando escorre dos olhos
são tempos de ais, calafrios.

Todas as chuvas passam.
Além da lenda,
desponta o arco-íris!

©rosangelaSgoldoni
14 09 2017
RL T 6 115 479

terça-feira, 12 de setembro de 2017

IN MEMORIAM DE CARMEN SILVIA PRESOTTO (De Porto Alegre, RS)


Silvia,
mansidão
na estrada poética,
Palavras soltas,
Entrelinhas,
Adivinha?
Poeminha,
Poemão!
Sutileza
do
“Conversar é preciso”,
Incentivo,
união.
Deita-se o verso nos braços do Senhor,
Silvia foi conversar com Deus!

©rosangelaSgoldoni
12 09 2017

RL T 6 112 176
Agradeço a amizade e o incentivo.

domingo, 10 de setembro de 2017

PERFUME DE VIDA




Queria proteger sua essência de vida
no mais requintado frasco de cristal,
misturá-la a álcoois e bálsamos,
perfumá-la
em notas de tom maior...
Faltava-lhe o dom da alquimia!
O pretenso perfumista
abrigava-se sob as fruteiras dum pomar.
Sonhava especiarias.
Pimenta,
gengibre,
cravo-da-índia
em livre sintonia com a natureza.
Despertou tonteado pelo
aroma das flores de  laranjeira que pairava no ar.
Festejou ao sorvê-lo e
embriagar-se da brisa da manhã que o espargia.
Tão longe navegaram seus sonhos...
Tão próxima sua essência de viver!

©rosangelaSgoldoni
17 08 2015
RL T 6 109 844
Publicado na Antologia Vida em Poesia II lançada em 09 09 2017, Lisboa, Portugal

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

SETE DE SETEMBRO





Realidade.
Dói saber, abandono.
Independência em pauta adiada.
Sonhos represados
nas teias do poder.
Um povo em busca da liberdade de viver!

©rosangelaSgoldoni
07 09 2017
RL T 6 106 778

terça-feira, 5 de setembro de 2017

APENAS O NECESSÁRIO



Passa o tempo,
passam as horas,
passa o vento,
passam memórias...
Filtros naturais drenam o desnecessário.
O necessário assentou.
Suficiente para alimentar
sonhos que resistem,
flores que teimo em cultivar,
vida em gratidão de ser.

©rosangelaSgoldoni
04 09 2017

RL T 6 104 787

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

DESVARIOS

DESVARIOS

Solidão não é problema
dos que me afligem agora.
Por mais triste que esteja,
por mais saudosa pareça,
nada disso incomoda.

Trago no peito esperança,
no coração desvarios;
sonhos dos quais me abasteço
e amigos a quem agradeço:
calorosa em arrepios.

©rosangelaSgoldoni
28 04 2006

RL T 2 601 263

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

EU E MEU SIGMOIDE


Mudo o curso do rio,
vou ao encontro das minhas verdades,
reacendo lamparinas.
Pouca luz,
muito siso,
decido!
Brilha o fio do bisturi
sob a anestesia que me entorpece.
Amanheci renovada em mim.
O dreno que pende do
baixo-ventre,
expele o
as impossibilidades criadas por outros
do não eu.
Aceito de bom grado
o amargo da dipirona
que me alivia a dor.
Há que se corrigir o que me afirmavam incorrigível.
Reagimos a tempo,
eu e meu sigmoide.

©rosangelaSgoldoni
30 08 2017

RL T 6 099 986

domingo, 27 de agosto de 2017

ANSIEDADES DO MEU JARDIM



O inverno avança em direção à próxima estação:
“Desembarque primavera”
As roseiras podadas,
despidas de folhas e flores,
aguardam o despertar dos seus cachos.
Damas da noite confabulam sobre suas expectativas de sol
e a maturação  de suas fragrâncias inebriantes.
A natureza reveste-se de expectativas!

Tempos de ansiedade no meu jardim!

©rosangelaSgoldoni
20 08 2017
RL T 6 096 364

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

ELVIS NÃO MORREU (Humor)


Hoje faz 40 anos que Elvis partiu.
Lembrei-me dum episódio pitoresco ocorrido nos tempos em que trabalhava.
Nos idos dos anos 90 contratamos uma van para nos levar ao show de Roberto Carlos, penso que no Metropolitan, na Barra.
Marcamos para nos buscar na Agência às 21.00h.
Banco fechado, todos concentrados num bar chamado “Garoto”.
Devidamente “calibrados” partimos.
Na volta, mais do que “animados” formos parados por um blitz próximo ao Mirante do Leblon.
A van não estava com os documentos em dia (era de um ex-colega que saiu num PDV e estava recomeçando a vida).
Descemos todos, inclusive o motorista (que não havia bebido).
Duas lúcidas permaneceram: minha mãe e mãe de uma amiga.
Tentando explicar o inexplicável, no maior tumulto, alguém aponta e grita:
‘ELVIS NÃO MORREU”!
Era o nome gravado na farda de um deles.
Desistiram da multa e mandaram seguir.

©rosangelaSgoldoni
16 08 2017

RL T 6 085 803 

domingo, 13 de agosto de 2017

NOVAS SAUDADES QUE NO CÉU DESPONTAM



Cauby subiu. Partiu o coração da Conceição.
Elke, maravilhada, voou maquiada.
Gullar não coube no bolso da morte.
Melodia morreu de amores pelo Estácio.
Belchior despediu-se da latino américa.
Vander Lee foi para onde “Deus pudesse ouvi-lo”;
Dicró deixou a sogra feliz.
Hebe faz gracinhas e troca selinhos com os anjinhos.
Reginaldo, um garçom a chorar.
Chorão não encontrou um lugar ao sol.
Emilio amanheceu em Saigon.

Há um novo palco além da imaginação!

©rosangelaSgoldoni
10 08 2017
RL T 6 082 931

http://rascunhosdarogoldoni.blogspot.com.br/2012/01/minhas-saudades-que-no-ceu-despontam.html

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

NOSSAS ESTRADAS


Desci pela estrada sozinha,
na curva seu olhar me esperava,
o que seria alegria
revelou-se em novo por quê.

Todos percorrem estradas,
as minhas tão viciosas...

Fujo, percorro atalhos,
a vida não quer entender;
faz-me retorno em compasso
aos caminhos que levam a você.

Um dia, quem sabe, um balão,
alcance estradas no céu;
altitude afinal, proteção,
nosso olhar descruzado em paz!


©rosangelaSgoldoni
08 01 2010
RL T 2 775 906
Revisado em 09 08 2017

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

LUZ


Lux,
Fiat!
Reflete sobre o mundo.
Derrama tua Paz!
Envolve-nos em boas energias.


©rosangelaSgoldoni

11 03 2011

RL T 2 842 403  

terça-feira, 1 de agosto de 2017

RAÍZES



Cavando
A
Cova
Profunda
Aprofundo
O
Dom
De
Viver
Na
Profundeza
De
Ser
Humano.
A roseira que nasceu na calçada floriu.

©rosangelaSgoldoni
01 08 2017
RL T 6 071 732

INSPIRAÇÃO
"Cada homem tem a sua parcela de terra para cultivar.
O que é importante é que cave fundo."

José Saramago

sábado, 29 de julho de 2017

A FLOR ESQUECIDA



A flor que você me ofertou,
sem que eu quisesse, brotou.
Ensaiei regá-la e adubá-la.
Triste decisão, não vingou!

Não foi falta de cuidado
a este pequeno regalo.
Foi um simples entregar!

Não tente reanimar
aquilo que não plantou.
Não devo sozinha cuidar
Dum amor que só me enredou.

O pretérito é insistente,
lamentável e consistente!

©rosangelaSgoldoni
30 11 2010

RL T 2 646 675

quarta-feira, 26 de julho de 2017

APARECEU A MARGARIDA...




Faz tempo,
muito tempo...
A dor que m’envolvia
partiu sozinha!

Apareceu a margarida,
Olê, olê, olá...

©rosangelaSgoldoni
26 07 2017
RL T 6 066 076

domingo, 23 de julho de 2017

NAQUELA MADRUGADA DE OUTONO (AVPLP) 2017





Perderam-se pelas madrugada vadias.
Ruas e avenidas pareciam-lhes sem sentido ou direção.
Perambulavam entre os amantes plenos de convívio
- fartavam-se de indiscrição -.
Esparramada sobre aquela noite de outono,
a névoa confidente beirava o encantamento.
Em breve, o seu dissipar revelaria a claridade do dia.
Suas desconexões com a realidade seriam evidenciadas.
Tarde para recuar!
Versos e rimas revelariam sua fome de poesia naquela manhã.
Ensolarados,
o poema deu-se à vida
àqueles que acordavam do sono consentido
em busca de esperança prometida.
Quem sabe um mar de rosas os esperava...

©rosangelaSgoldoni
16 06 2017
RL T 6 062 133